21/05/2020 12:06 pm

URE de Imperatriz promove Formação virtual sobre relações Étnico-raciais na Educação

Formação virtual sobre relações Étnico-raciais na Educação

Mesmo diante do cenário atual de pandemia, causado pela Covid-19, que atinge nossa cidade, o país e o mundo todo, a educação maranhense busca alternativas para resistir e se reinventar. Várias ações estão sendo pensadas, planejadas e realizadas pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc). Um exemplo disso são os encontros virtuais com educadores, que a Unidade Regional de Educação de Imperatriz (UREI) promoveu, por meio da Coordenação de Educação da Igualdade Racial de Imperatriz (CEIRI), durante o mês de maio.

Com a temática “Imperatriz: formação anticolonial na Educação”, o encontro virtual foi realizado com o auxílio da plataforma Google Meet, e contou com a parceria de formadoras/es do Ciclo Permanente de Estudos e Debates com a Educação Básica, da Universidade Federal de Minas Gerais (SIEX/UFMG).

“Os encontros de formação para relações étnico-raciais na educação, promovidos pela URE Imperatriz, têm como grande finalidade o apoio teórico, didático e metodológico para que os professores e gestores escolares, da Rede Estadual de Ensino do Maranhão, possam plenamente implementar nos centros de ensino as Leis nº 10.639/03 e 11.645/08, que tratam, respectivamente, da obrigatoriedade das temáticas História e Cultura Afro-Brasileira e Africana: e Indígena, nos procedimentos curriculares e extracurriculares de Ensino e Aprendizagem”, explica a gestora Regional de Educação, Profa. Dra. Orleane Evangelista de Santana.

Formação virtual sobre relações Étnico-raciais na Educação

De acordo com a coordenadora da CEIRI e mediadora nos encontros, Profa. Ma. Eró Cunha, o objetivo da formação é propor reflexões, debates, estudos e compartilhamento de práticas e vivências pedagógicas voltadas para a construção de uma educação antirracista e que valorize a diversidade étnico-racial.

“Precisamos aprimorar nossas práticas pedagógicas e contemplar diferentes olhares sobre o mundo, ampliando o direito ao ingresso e permanência, nos espaços educacionais, de sujeitos, antes invisibilizados por um sistema opressor. É preciso rever os próprios objetivos da educação, repensar novas práticas pedagógicas e construir projetos voltados para uma educação emancipatória, libertadora. Isso só será possível a partir da descolonização do saber e consequentemente do currículo escolar”, disse a professora Eró.

Durante o período de realização do encontro virtual, os educadores contaram com os esclarecimentos dos professores formadores: Jair da Costa Junior, Mestre em Ciências Sociais – PUC/Minas; Yone Maria Gonzaga, Doutora e Mestra em Educação – UFMG; e Aline Neves Alves, Doutoranda e Mestra em Educação – UFMG.

“Articular essas reflexões a partir das vivências do contexto social favorece e amplia a construção do conhecimento sobre as populações negras e indígenas e possibilita às educadoras/es desenvolverem metodologias específicas para o público com o qual trabalham. Todas as vidas importam e a Educação tem um papel transformador de valores e mentalidades”, afirma a Profa. Dra. Yone Maria Gonzaga.

“O reconhecimento e a valorização das diferenças subjetivas, sociais e de oportunidades, a meu ver, será possível quando conseguirmos produzir um olhar anticolonial na Educação”, reafirmou a formadora.

Para a professora de Língua Portuguesa, do Centro Educa Mais Tancredo de Almeida Neves, Deivanira Vasconcelos, esta formação é necessária para o fortalecimento das abordagens não-racistas e valorização da cultura negra em sala de aula.

“Eu acho muito necessário a gente aprender a se posicionar para falar da história e produções da população negra no Brasil, valorizando e apresentando as realizações em que o negro foi e é protagonista, principalmente para que seja possível a construção da identidade dos nossos estudantes. Estou aprendendo, principalmente, como abordar os assuntos importantes para conscientização e fortalecimento da identidade negra”, conta Deivanira Vasconcelos.

Durante os encontros foi possível ainda a realização de intervenções artísticas, o que possibilitou o entrelaçamento de saberes culturais. As apresentações musicais tiveram a participação das atrizes e cantoras Dênia Correia e Juliana Cutrim, além do diretor, ator e compositor Lauande Aires, todas/os integrantes da Cia Teatral Santa Ignorância, de São Luís/MA.

Além das ações de formação da Coordenação de Educação da Igualdade Racial de Imperatriz, é importante destacar também o trabalho político, social e histórico do Centro de Cultura Negra Negro Cosme (CCNNC), que é parceiro da CEIRI/UREI, no combate ao racismo e no fortalecimento de ações e políticas públicas, em Imperatriz e na Região Tocantina.

Fonte: Seduc
Texto: Aparecida Marconcini Prestes / Eronilde Cunha
Fotos: Divulgação
21/05/2020

Contatos

contatos

Fones:
(98) 3235-4674

E-mail:

gabinete@educacao.ma.gov.br
ascom@educacao.ma.gov.br

Ouvidoria
08002800166 / (98) 3235-4924 / 3268-3254
www.ouvidorias.ma.gov.br

Localização

localização